Quinta, 28 Maio 2015 14:42

Dia Nacional de Paralisação é a reação da classe trabalhadora contra os ataques aos direitos

Nesta sexta-feira (29), centrais sindicais e organizações dos movimentos sociais farão grandes manifestações em todo o país. A pauta é bastante extensa, pois motivos que causam descontentamento na classe trabalhadora não faltam. A avaliação da CUT é de que o Congresso Nacional aprovou nestes cinco meses da nova legislatura mais ataques aos direitos dos trabalhadores do que em todo o Regime Militar (1964 – 1985).

A Câmara dos Deputados tem honrado o título de a mais conservadora desde o início da ditadura, conforme estudo do Diap (Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar). Os parlamentares já aprovaram o Projeto de Lei 4330/2004, que escancara as terceirizações ao liberá-las até nas atividades-fim das empresas; as medidas que limitam o acesso aos benefícios como seguro-desemprego, pensão por morte, abono salarial e previdência social.  

O conjunto de medidas de ajuste fiscal do governo, elaborado pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, sem qualquer diálogo com a sociedade, retira verbas de áreas essenciais para a classe trabalhadora, como saúde, educação e habitação. Enquanto isso, a taxação das grandes fortunas, que poderia gerar R$ 6 bilhões de impostos anuais à União, não avança. A política de austeridade retira das classes mais necessitadas e preserva as elites.

Por todas estas razões, os trabalhadores e suas entidades de representação irão tomar ruas, fábricas, rodovias, praças e espaços públicos neste Dia Nacional de Paralisação. “Será um dia para mostrar a reação dos trabalhadores à atual pauta política e econômica do país. Se os governantes, parlamentares, empresários e as elites não recuarem, vamos partir para uma greve geral”, alerta Mário Dal Zot, presidente do Sindipetro PR e SC.

Última modificação em Quinta, 28 Maio 2015 15:06

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro