Quinta, 25 Abril 2019 19:13

Preço dos combustíveis é alvo de protesto dos petroleiros da Repar

Manifestação apontou que a condução do setor petróleo pelo governo está equivocada; quem o paga pelo erro é o povo.

 

 

Trabalhadores da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar/Petrobrás), em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba, fizeram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (25), em frente à fábrica.

 

A motivação foi a constante alta nos preços dos combustíveis por conta da política adotada no governo Temer e praticada também por Bolsonaro, a qual segue a cotação do dólar e o preço do barril de petróleo no mercado internacional.

 

Para o Sindipetro Paraná e Santa Catarina, o setor está sendo conduzido de forma equivocada e isso penalizada a sociedade, os trabalhadores e os acionistas da Petrobrás, cujo majoritário é a União, logo, o povo brasileiro. A começar pela subutilização das refinarias. Ao final do governo Dilma Rousseff, 96% da capacidade de refino da Petrobras era utilizada. Já sob a gestão Temer (MDB), o patamar foi rebaixado a 74% e atualmente permanece próximo a esse percentual.

 

Segundo dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o país extrai em média 2,6 milhões de barris de petróleo por dia e consome 2,2 milhões. A capacidade de refino é de 2,4 milhões de barris, ou seja, o país é quase autossuficiente (precisa importar óleo leve para processar junto com o produto nacional). Porém, com a redução, as refinarias brasileiras produzem em média apenas 1,6 milhões de barris/dia.

 

Dessa forma, o país passou a importar mais combustível, principalmente óleo diesel dos Estados Unidos, e paga o preço do petróleo internacional, que está custando cerca de US$ 80 por barril. O custo da produção nacional gira em torno de US$ 30 a US$ 40 o barril.

 

Outro erro está na prática do preço internacional. O país importa aproximadamente 20% do combustível que consome, mas a população paga o preço totalmente equivalente ao praticado no comércio internacional.

 

Os petroleiros defendem uma política de preços dos combustíveis com base no volume de extração de petróleo no Brasil, a capacidade de refino no país e os custos dessas atividades. Assim, o preço ao consumidor interno seria determinado principalmente pelo custo de produção da Petrobrás mais uma margem de lucro.

 

Manifestações semelhantes a da Repar aconteceram em outras refinarias do país.

 

Mentiras do Castello Branco

O presidente da Petrobrás, Roberto Castello Branco, durante a coletiva de imprensa do dia 17 de abril, afirmou que “com a continuidade da prática de preços da Petrobrás, de acordo com a paridade internacional, e a venda de refinarias, o Brasil vai ter um mercado em competição, e a Petrobrás não vai sofrer interferência externa em suas decisões”.

 

O discurso é uma falácia. O sistema de refino da Petrobrás é distribuído por regiões e não estão interligados. Logo, a privatização das refinarias criaria apenas monopólios regionais privados. Dessa forma, não haveria competição e é impensável que uma empresa do exterior cobraria preços abaixo do praticado no mercado internacional.

 

Para ver mais imagens da manifestação, clique aqui!

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro