Image not available
Image not available
Sexta, 29 Novembro 2019 19:55

Protesto dos petroleiros alerta para a “dolarização” dos combustíveis no Brasil

Ação do Sindipetro Paraná e Santa Catarina distribuiu cupons que dava direito a abastecer R$ 20 de gasolina ou diesel.

 

 

Não era Black Friday, mas os motoristas e motociclistas que passaram nesta sexta-feira (29) pela região do bairro Rebouças, em Curitiba, tiveram uma agradável surpresa.

 

Os trabalhadores da Petrobrás organizaram uma ação que distribuiu mil cupons de R$ 20 para abastecer com gasolina ou óleo diesel no Posto Petro Chile, no cruzamento das ruas Chile e Marechal Floriano..

 

A atividade foi um protesto contra os sucessivos aumentos da gasolina, do óleo diesel e do gás de cozinha que acontecem por conta da política de preços dos combustíveis baseada na cotação do dólar e do barril do petróleo no mercado internacional.

 

“É um protesto contra os altos preços dos combustíveis no Brasil. Nós sabemos que o país pode ter combustíveis mais baratos, pois nós temos petróleo e as refinarias da Petrobrás, mas infelizmente esse preço está viabilizando a importação de derivados. O combustível está sendo cobrado em dólar da população, atrelado ao preço internacional, mas nós temos petróleo aqui. Nossa estimativa é que os preços dos combustíveis podiam ser pelo menos 25% mais baratos”, explicou Roni Barbosa, diretor do Sindipetro Paraná e Santa Catarina.

 

De acordo com Roni, outro fator que contribui para o aumento dos preços é a subutilização das industrias nacionais de petróleo. “A refinaria de Araucária está produzindo apenas 60% da sua capacidade. Poderia estar produzindo a 100%, diminuindo os custos, gerando impostos e empregos aqui, só que estamos gerando empregos fora do Brasil com esse preço. É algo que não interessa a nenhum brasileiro, só aos importadores”.

 

Diminuição da Renda Familiar

O motorista de aplicativo Dioney Santos Júnior disse que a cada aumento de combustível, a renda de sua família cai. “Quanto mais aumenta o combustível, mas diminui o orçamento para a renda familiar. Geralmente a gente trabalha com uma meta de combustível em um valor e toda vez que tem um aumento nós temos que fazer uma reformulação de meta, ou seja, temos que trabalhar ainda mais”.

 

Segundo ele, a ação do Sindipetro é válida. “Tem que fazer né (protesto), porque o governo tem que sentir também. Não é só o trabalhador e a população que está abaixo deles que tem que sentir um pouco o prejuízo. Eles têm que sentir que a população precisa da ajuda deles. Porque parece que para eles só o que ajuda é o aumento. Então, é como estão dizendo, a gente está ganhando em real para pagar em dólar”.

 

Deixar o carro em casa

A trabalhadora Marilyn Lisboa de Miranda sente no bolso os impactos dos aumentos. “Para mim é complicado. Eu rodo em torno de 200 km por semana. Eu moro a 22 km do meu trabalho, todo dia 44 km, é bastante coisa. Por semana é no mínimo uns R$ 50 a mais que eu estou gastando. Então no final do mês faz uma grande diferença”.

 

Para ela, o governo tem que se mexer. “Tem que baixar, né? É o único recado possível ao governo. A gente não tem como viver assim. Daqui a pouco vou ter que deixar o carro em casa”, lamentou.

 

 Conscientização

Durante a ação, os petroleiros distribuíram panfletos que explicavam os problemas da crise dos combustíveis no Brasil, sobretudo a indexação dos preços ao dólar.

 

O protesto foi bem aceito pela população e teve grande repercussão na mídia, com cobertura de praticamente todos os grandes veículos de comunicação de Curitiba.

 

 Confira imagens da ação na fanpage do Sindicato: https://www.facebook.com/sindicatodospetroleiros/

Última modificação em Sexta, 29 Novembro 2019 20:00

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro