Sexta, 20 Março 2020 20:56

Sindipetro PR e SC realizou fiscalização na Transpetro para evitar propagação do Covid-19

A FUP e o sindicatos haviam se manifestado sobre os cuidados que as gerências das unidades do Sistema Petrobrás deveriam ter para não expor os trabalhadores próprios e terceirizados ao Covid-19 (Coronavírus). Porém, nos últimos dias, denúncias chegaram ao Sindicato sobre irregularidades na Transpetro tanto no Paraná como em Santa Catarina (*Foto: aglomeração de trabalhadores terceirizados do Tefran em 19 de março)

O trabalho de base funciona. Graças as denúncias dos petroleiros diversas irregularidades foram identificadas na Transpetro. Ao receber as informações, o Sindipetro PR e SC prontamente pressionou as gerências das unidades e na faixa de dutos em Paranaguá e São Francisco do Sul para realizar adequações necessárias.

 

“Durante essa semana os trabalhadores perceberam o descaso com que a gestão de pessoal do Sistema Petrobrás vem tratando a disseminação do vírus Covid-19, quanto a quem efetivamente responde por atividades essenciais à sociedade”, explicou Jordano Zanardi, dirigente do Sindipetro e que participou das ações de fiscalização.

 

Neste momento, em plataformas, refinarias e unidades da Petrobrás, se somam inúmeros casos suspeitos de contaminação do Covid-19. A principal questão, dentro de um contexto tão grave, é: qual a razão da demora para se colocar em prática as medidas preventivas encaminhadas pela FUP nas unidades do Sistema Petrobrás?

 

Falta de proatividade da gestão

 

O Sindipetro PR e SC não poupou esforços para pressionar as gerências no TEPAR (Paranaguá) e no TEFRAN (São Francisco do Sul) para realizar as adequações e evitar a propagação do coronavírus. “Um trabalhador com 65 anos estava em atividade por uma empresa terceirizada. Fomos até a gerência cobrar. Eles se comprometeram em dispensá-lo para casa de imediato, mantendo remuneração”, relatou Jordano.  

 

Outra questão grave foi a aglomeração. Em Paranaguá havia trabalhadores próximos uns dos outros em uma obra no píer da Transpetro. Jordano explica que “quem corrigiu foi o próprio operador do TEPAR. Ele vai ter sua atuação reconhecida como boa prática. A gerência da unidade se comprometeu em encerrar a obra o mais rápido”.

 

Ainda em Paranaguá, na faixa de dutos do Terminal, havia equipes próprias e contratadas realizando atividades rotineiras e com os trabalhadores expostos. “A empresa Seel tentou dificultar a liberação dos funcionários, mas, após apresentarmos fotos, a gerência concordou em suspender todas as atividades”, relatou o dirigente.

 

Outro caso grave de aglomeração aconteceu no TEFRAN, em São Francisco do Sul (SC). Lá os trabalhadores da empresa Blaspint estavam exposto durante obra na tancagem. A gerência do terminal se comprometeu em paralisar as atividades e dispensou todos os trabalhadores. 

 

Medidas preventivas

 

O Sindipetro PR e SC orienta os petroleiros a manter as fiscalizações e as denúncias. Já chegaram relatos de trabalhadores com mais de 60 anos indo para casa com remuneração garantida, assim como a distribuição de notebooks para atividades em home office.

 

Os gerentes das unidades da Transpetro se comprometeram em dispensar trabalhadores da manutenção predial, elétrica, inspeção de faixa de dutos e obras de engenharia, os mantendo em sobreaviso para emergências. O recado que fica aos gerentes da atual gestão da Petrobrás é que há exercícios diários para o bem coletivo e para a segurança de todos, ainda mais em tempos de coronavírus.

 

As entidades que defendem os trabalhadores do Sistema Petrobrás informam que em caso de contaminação de trabalhadores em virtude de omissão, os gestores serão responsabilizados. Para o sindicato, está faltando proatividade das gerências em relação a interrupção dos serviços em áreas operacionais. Além disso, caso as demandas da Carta Aberta (LEIA AQUI) não forem atendidas poderá ser deflagrada GREVE SANITÁRIA NACIONAL.

Última modificação em Sexta, 20 Março 2020 21:44

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro