Imprimir esta página
Quinta, 26 Novembro 2020 21:33

Petrobrás desmonta setor de segurança da SIX para facilitar a privatização da unidade

Precarização das relações de trabalho e sucateamento das instalações viraram coisas comuns na Usina do Xisto. Precarização das relações de trabalho e sucateamento das instalações viraram coisas comuns na Usina do Xisto.

Gestão da empresa diminui número de técnicos de segurança no regime de turno. Pressão por transferências para outras unidades aumenta ainda mais a sensação de insegurança na Usina

 

Davi Macedo - Sindipetro PR e SC 

 

Reduzir investimentos, sucatear instalações e precarizar as relações de trabalho. A direção da Petrobras segue à risca o plano para atender interesses privados e entregar o patrimônio do povo brasileiro.

 

Assim como acontece na Refinaria do Paraná (Repar) e foi denunciado pelo Sindipetro PR e SC (leia aqui!), a Usina do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul, também passa por um processo de desmonte com requintes de crueldade e irresponsabilidade. Começou por setores como a Casa de Força, Laboratório, Utilidades e agora atinge a SMS (Segurança, Meio Ambiente e Saúde), departamento responsável pelas vidas dos trabalhadores.

 

O roteiro é exatamente o mesmo da Repar. Ambas gestões locais substituem profissionais experientes por bombeiros civis nas brigadas de incêndio, ainda com o agravante de sequer terem o treinamento adequado para atuar em situações de emergência em parques industriais de produtos inflamáveis.

 

Com esse processo de terceirização e redução de recursos na SMS, um problema que assolou a SIX durante anos volta à tona: a falta de efetivo de técnicos de segurança em turno ininterrupto de revezamento. No contexto atual, trata-se de mera decisão política e ideológica da empresa, uma vez que os técnicos estão disponíveis, mas simplesmente foram retirados do regime de turno.  

 

Em 2004, um acidente que levou à morte de um terceirizado na área de mineração escancarou a ausência de profissionais de segurança na Usina. A Comissão de Investigação que foi instalada na SIX, da qual o Sindipetro fez parte, trabalhou por dois anos e o resultado foi a ampliação para dois técnicos de segurança por turno.

 

Agora, com as terceirizações na SMS, a SIX voltará a contar com apenas um técnico por turno. Cabe destacar que o cenário anterior a 2004 era de acidentes em série na Usina. Algo que a gestão da Petrobrás parece querer retomar nas suas instalações. No último mês, vários acidentes foram registrados, inclusive uma explosão na mina. Falta de efetivo, sucateamento e operações complexas realizadas por terceirizados sem o devido treinamento são as causas apontadas pelos profissionais de segurança. É o presente repetindo o passado.

 

Outro fator que aumenta a sensação de insegurança generalizada na SIX é a pressão que trabalhadores de todos os setores sofrem para aceitar transferências a outras unidades da Petrobrás. Tudo parte de um plano sórdido para acabar com a Petrobrás no Paraná, na região Sul do país e, mais tarde, extinguir de vez com a maior empresa da América Latina. É sempre bom lembrar: não há saída individual, a luta é coletiva!

 

Última modificação em Quinta, 26 Novembro 2020 21:38