Terça, 20 Abril 2021 20:15

Trancaço marca a retomada da greve na Usina do Xisto

Petroleiros querem a retomada das negociações e denunciam chantagem econômica da companhia ao exigir a renúncia fiscal dos royalties devidos.

 

Davi Macedo - Sindipetro PR e SC

 

As vias de acesso à Usina do Xisto (SIX), em São Mateus do Sul-PR, ficaram intransitáveis na manhã desta terça-feira (20) devido ao “trancaço” realizado pelos petroleiros da unidade, que resolveram retomar a greve, suspendida no dia 01/04 como gesto de boa-fé negocial.

 

A empresa havia se comprometido a marcar novas tratativas sobre a pauta da categoria. A situação dos trabalhadores com a possível privatização da SIX, o sucateamento dos equipamentos e as terceirizações na área de segurança são os principais pontos que os petroleiros querem negociar com a Petrobrás.

 

Porém, a gestão da companhia rompeu com a mesa de negociação ao desistir da reunião marcada para a última sexta-feira (16).

 

A situação ficou mais complicada nos últimos dias diante da notícia de que a Petrobrás pretende encerrar as atividades da SIX caso não consiga privatizá-la. A empresa manifestou tal intenção depois que suas dívidas de aproximadamente R$ 1 bilhão em royalties para São Mateus do Sul, Paraná e União vieram à tona.

 

Para o petroleiro da SIX e dirigente do Sindipetro PR e SC Mário Dal Zot, o argumento utilizado pela empresa é que a dívida estaria inviabilizando qualquer negociação da SIX. Ele entende que ameaça de fechar a unidade se configura em abuso de poder econômico por parte da Petrobras, já que a SIX hoje é responsável por 45% do ICMS e 50% do ISS recolhido no município de São Mateus do Sul. “A Petrobrás tem total condição de pagar essa dívida. Fechar essa unidade seria trágico para a cidade”, afirmou.

 

Os dados da Petrobrás indicam que a SIX tem um lucro de cerca de R$ 200 milhões por ano e emprega mil trabalhadores de forma direta (próprios e terceirizados).  “Se a classe política do estado não comprar essa briga junto com a categoria petroleira, há o risco de a SIX ter o mesmo destino da Fábrica de Fertilizantes do Paraná, que teve suas atividades encerradas em fevereiro de 2020 e deixou mil trabalhadores desempregados. Não podemos permitir mais esse desastre por parte da atual gestão da Petrobras”, protestou Dal Zot.

 

 

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro