Zenith Forex carreira Jack Daniels Melhor Forex Estratégia Forex trading para ganhar dinheiro Sistema de trade de liberalização Análise do Mercado Forex PDF Forex Mundo Cargo Filipinas Truques de negociação de opções bacanas Swing Forex Estratégia Como as Forex Centrum Forex Taxa de câmbio Dia Trading Forex Live YouTube forex utah. O leilão de swap forex é Opções binárias Rich Forex Trading. NBAD Forex Trading. Ponto Pivot Opções binárias Trading Strategy Videos Estratégia de negociação de jacaré Você tem sistema de Forexchange grupo forex Opções binárias S & P 500 Bangladesh Negociação multi estratégia Indicador de Alerta de Bollinger Bands MT4 Terminologia Forex para iniciantes PDF Forex Broker Killer 1 minuto Estratégia Barclays Zâmbia Forex. Data de Banco Estadual da Índia Forex Ramos Pune man Aprenda Forex Negociar software de sistema de negociação automática state dating laws in Sint Genesius Rode Belgium speed dating central Natal Brazil ヒマラヤ外国為替プライベートリミテッドリミテッド toerana hookup Antsirabe Madagaskar
Terça, 13 Julho 2021 15:24

Trabalhadores de estatais lutam contra resolução que acaba com planos de saúde

Resolução afeta 12 milhões de pessoas, entre trabalhadores de estatais e dependentes. Projeto de Erika Kokay, que susta efeitos da resolução, precisa ser votado antes do recesso

Câmara dos Deputados analisa esta semana o Projeto de Decreto Legislativo (PDC) nº 956/18, da deputada Erika Kokay (PT-DF), que susta os efeitos da Resolução nº 23/18 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações  Societárias da União (CGPAR), órgão do  Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

 

A resolução, elaborada depois do golpe de 2016, em  mais um ataque do governo aos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras, decreta o fim de diversos planos de saúde de estatais e, para os que permanecerem, estabelece que o custo deve ser dividido meio a meio entre trabalhadores e empresa.

 

‘Essa resolução afeta mais de 3 milhões de trabalhadores e trabalhadoras das estatais, especialmente aposentados e pensionistas, que correm o risco de ficar sem plano de saúde”, afirma Rafael Crespo, do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (Sindipetro-NF).  

 

Segundo o dirigente, o total de prejudicados pela proposta do governo alcança mais de 12 milhões de pessoas, se forem contabilizados os familiares dos trabalhadores das estatais. Por isso, diz, é importante que todos mandem mensagens para os deputados alertando que o PDC precisa ser aprovado urgentemente.

 

Regime de urgência aprovado

O PDC 956/18 já havia sido aprovado em todas as comissões e nesta segunda-feira (12) os deputados aprovaram resolução de regime de urgência para que a proposta seja encaminhada, analisada e votada no Plenário antes do recesso parlamentar de julho.

 

Se aprovado, na Câmara e no Senado, o PL anula os efeitos da resolução do governo estabelecendo diretrizes e parâmetros para o custeio das empresas estatais federais sobre benefícios de assistência à saúde aos empregados.

 

Segundo Erika Kokay, trata-se de uma política de austeridade do custeio da assistência à saúde dos  funcionários das estatais que interfere no funcionamento das entidades de assistência à saúde. A deputada avalia que a resolução desrespeita a Lei dos Planos de Saúde (9.656/18) e a Lei 9.961/00, que criou a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

 

“Na prática, ao determinar a adequação pelas empresas estatais à paridade de contribuições entre empregador e empregado e a limitação de custeio de planos de assistência a um teto sobre a folha de pagamento, dentre outras alterações, impõe-se um ônus às entidades de assistência à saúde que atuam na modalidade de autogestão”, disse a deputada.

 

Erika Kokay ressaltou que a norma estabelece que apenas os filhos e companheiros conjugais possuem direito ao plano, com exclusão definitiva dos pais no rol de dependentes. “Pelo novo sistema, esses trabalhadores serão obrigados a pagar um valor adicional por ente da família que for incluído, que onera de maneira significativa o salário dos funcionários”.

 

Luta pela aprovação do PDC 956

As entidades que representam os trabalhadores de empresas estatais federais, como a Federação Única dos Petroleiros (FUP), articulam junto com a CUT e demais centrais sindicais mobilizações em Brasília e nas redes sociais para que o PDC entre em votação o mais rápido possível. Várias ações foram discutidas em reunião na noite desta segunda-feira (12), com a deputada Erica Kokay.

 

Nesta terça-feira, os representantes das entidades sindicais devem apresentar ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), um requerimento solicitando que coloque na ordem do dia a votação do PDC 956.

 

A aprovação do projeto é fundamental para a preservação dos planos de saúde autogeridos por empresas estatais federais, afirmam os dirigentes.

 

Emitida em janeiro de 2018, a Resolução 23 impõe uma série de restrições que visam inviabilizar os planos de saúde de autogestão, como a proibição da adesão de novos contratados, a restrição de acesso para os aposentados e a cobranças por faixa etária, prejudicando os beneficiários idosos, que são os que mais necessitam de cuidados com a saúde. Além disso, a CGPAR altera carências e franquias e, principalmente, reduz a participação das estatais no custeio dos planos.

 

No caso da Petrobrás, várias alterações já estão sendo feitas de forma unilateral na Assistência Multidisciplinar de Saúde (AMS) dos trabalhadores, contrariando o Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) e normas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

 

Além de alterar o custeio do plano de saúde em plena pandemia, a Petrobrás entregou a uma entidade privada a gestão da AMS, em um processo cheio de irregularidades e denúncias de favorecimento a operadoras de planos privados. Estamos falando de uma carteira bilionária, com mais de 270 mil beneficiários e uma rede com cerca de 18 mil credenciados, de norte a sul do país.

 

Como é a tramitação de um decreto legislativo

O PDL pode ser aprovado com maioria simples de votos (257) e não vai à sanção presidencial. Mas antes, precisa ser colocado em votação na Câmara e também no Senado. Por isso, é fundamental a pressão dos trabalhadores sobre os parlamentares.

 

O que é a CGPAR

A Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR) é o órgão do governo federal responsável por traçar diretrizes para atuação dos gestores de empresas estatais federais (Petrobrás, Eletrobrás, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES, Correios, entre outras), com o objetivo de defender os interesses da União.

 

O que prevê a Resolução 23

Estabelece uma série de imposições e parâmetros a serem seguidos pelas empresas estatais em relação ao custeio dos benefícios de assistência à saúde de seus empregados. As principais são:

 

> A contribuição da empresa estatal federal para o custeio do benefício de assistência à saúde não poderá exceder a contribuição dos empregados. (Art. 03)

 

> Fica vedado à empresa estatal federal participar de operadora de benefício de assistência à saúde na qualidade de mantenedora. (Art. 05)

 

> A oferta de benefício de assistência à saúde, na modalidade autogestão, será permitida, desde que haja cobrança de mensalidade por beneficiário, de acordo com faixa etária e/ou renda e limitação da inscrição, como beneficiários dependentes de seus empregados, a cônjuge e filhos. (Art. 09)

 

> Os editais de processos seletivos para admissão de empregados das empresas estatais federais não deverão prever o oferecimento de benefícios de assistência à saúde. (Art. 11)

 

> As empresas que estiverem operando seus benefícios de assistência à saúde em desacordo com o previsto nesta Resolução deverão se adequar em até quarenta e oito meses, a contar da data da vigência desta Resolução. (Art. 17)

 

> As empresas estatais federais que possuam o benefício de assistência à saúde previsto em Acordos Coletivos de Trabalho ACT deverão tomar as providências necessárias para que, nas futuras negociações, a previsão constante no ACT se limite à garantia do benefício de assistência à saúde, sem previsão de qualquer detalhamento do mesmo. (Art. 15)

 

*Texto: Marize Muniz, com informações da FUP - Redação CUT

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro