Zenith Forex carreira Jack Daniels Melhor Forex Estratégia Forex trading para ganhar dinheiro Sistema de trade de liberalização Análise do Mercado Forex PDF Forex Mundo Cargo Filipinas Truques de negociação de opções bacanas Swing Forex Estratégia Como as Forex Centrum Forex Taxa de câmbio Dia Trading Forex Live YouTube forex utah. O leilão de swap forex é Opções binárias Rich Forex Trading. NBAD Forex Trading. Ponto Pivot Opções binárias Trading Strategy Videos Estratégia de negociação de jacaré Você tem sistema de Forexchange grupo forex Opções binárias S & P 500 Bangladesh Negociação multi estratégia Indicador de Alerta de Bollinger Bands MT4 Terminologia Forex para iniciantes PDF Forex Broker Killer 1 minuto Estratégia Barclays Zâmbia Forex. Data de Banco Estadual da Índia Forex Ramos Pune man Aprenda Forex Negociar software de sistema de negociação automática state dating laws in Sint Genesius Rode Belgium speed dating central Natal Brazil ヒマラヤ外国為替プライベートリミテッドリミテッド toerana hookup Antsirabe Madagaskar
Quarta, 08 Setembro 2021 19:14

7 de Setembro é do povo e da democracia, diz presidente da CUT Nacional

Sérgio Nobre se referiu aos atos golpistas organizados pelo presidente e disse que a mobilização dos progressistas foi histórica porque foi em defesa da democracia e deu o recado de que “basta de Bolsonaro”

 

Milhares de pessoas ocuparam às ruas de mais de 200 cidades no Brasil e no exterior neste 7 de Setembro pelo ‘fora, Bolsonaro’ e pelo 27º Grito dos Excluídos, mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro (ex-PSL) convocou atos com pauta golpista, como o fechamento do Supremo Tribunal Federal STF) e do Congresso Nacional. 

 

Para o presidente Nacional da CUT, Sérgio Nobre, a mobilização dos progressistas foi histórica porque foi em defesa da democracia e deu o recado de que “basta de Bolsonaro”.

 

“Essa mobilização é histórica porque é em defesa da democracia, que para nós é fundamental, porque só na democracia a classe trabalhadora avança nos direitos e conquistas”, disse Sérgio Nobre, acresentando: “7 de Setembro é do povo e da democracia e isso ficou claro hoje”.

 

Só no Vale do Anhangabaú, em São Paulo, mais de 50 mil pessoas se reuniram para pedir o impeachment de Bolsonaro, geração de emprego decente, combate a fome e a miséria, apesar da tentativa do governador João Doria (PSDB) de impedir o ato, justificando que os apoiadores de Bolsonaro fariam ato no mesmo dia e havia risco de confrontos. O ato golpista foi na Avenida Paulista, a 3 quilometros do centro.

Os organizadores do ato em São Paulo recorreram à Justiça e garatiram a realização do ato que é por um Brasil melhor e para todos, sem Bolsonaro porque o governo dele não está cuidando de nenhuma área de interesse do povo, como saúde, educação, economia. 

 

“Se o Brasil tivesse um governo sério mais de 60% das mortes por Covid-19 poderiam ter sido evitadas e a fome não teria aumentado em nosso país”, disse Sérgio Nobre, reforçando os argumentos sobre a necessidade da realisação dos atos.

 

“Os atos deste 7 de Setembro foram para dizer que chega deste governo, que basta de Bolsonaro porque o povo não aguenta mais a continuidade do genocídio, do desmonte que ele tem promovido com as privatizações e do estado de exclusão social e da fome, que volta a atingir milhões de brasileiros”, pontuou o presidente nacional da CUT.

Solidariedade marca ato em São Paulo

Organizado pela CUT, centrais sindicais, movimentos sociais e populares e pelas frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, o ato #7SForaBolsonaro na capital paulista também foi marcado pela Solidariedade à quem tem fome, a defesa da democracia, do emprego, inclusão social e o ‘Fora, Bolsonaro’.

 

E, ao contrário das ações da direita bolsonarista, que privilegiam o ódio e a intolerância, o ato da esquerda em São Paulo mostrou que solidariedade é fundamental. Aqui ninguém solta a mão de ninguém.

 

Durante o ato no Vale do Anhangabaú, foram distribuídas mais de 10 toneladas de alimentos da agricultura familiar, como arroz, feijão, legumes e frutas.

 

Lideranças dos movimentos sociais, populares e das centrais sindicais, além de parlamentares progressistas, também participaram da mobilização para arrecadar alimentos e para distribuir no centro da capital paulista.

 

“Hoje fizemos a distribuição para aqueles que têm fome e é isso que mostra a diferença dos nossos atos, pois estamos nas ruas combatendo a fome, o desalento e lutando por habitação para o povo brasileiro, defendendo a democracia e a soberania nacional”, afirmou o presidente da CUT São Paulo, Douglas Izzo, que também coordenou o ato na capital paulista.

Uma tenda foi montada pela Federação da Agricultura Familiar do Estado de São Paulo (FAF) e os sindicatos CUTistas da agricultura familiar, em parceria com o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) para que alimentos orgânicos fossem distribuídos a famílias que enfrentam situação de extrema pobreza. As mais de 600 famílias, que perderam seus entes nesta pandemia, também foram homenageados. 

 

Músicas e poemas foram parte dos momentos culturais do ato. Além dos gritos, muitas faixas e cartazes pediam o Fora Bolsonaro.

 

Próxima data de mobilização

O presidente Nacional da CUT também destacou a importância de tirar Bolsonaro para o país mudar de rumo e disse que no próximo dia 14 já tem mobilização marcada contra as privatizações e em defesa dos serviços públicos e contra privatizações, convocado pelos servidores e trabalhadores das empresas públicas.

 

“Dia 14 a luta não é só dos servidores e trabalhadores das empresas públicas, a luta é de todos”, afirmou Sérgio Nobre se referindo ao desmonte dos serviços públicos se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) nº 32, da reforma Administrativa, for aprovada pelo Congresso Nacional.

 

Escrito por: Érica Aragão

Edição Marize Muniz

Fotos: Roberto Parizotti (Sapão)

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro