Image not available
Image not available
Mostrando itens por tag: APPSindicato
Segunda, 02 Dezembro 2019 17:35

Governador ainda não recebe o Comando Estadual de greve. Mobilização segue durante a tarde e a noite, com programação em Curitiba.

Terça, 05 Fevereiro 2019 12:38

Atividade acontece às 19h30, no auditório da APP-Sindicato, em Curitiba.

Quinta, 26 Janeiro 2017 18:47

Resolução da Maldade leva 300 educadores(as) a ocupar a Secretaria de Educação

Terça, 30 Agosto 2016 19:52

O então governador, hoje senador que julga o impeachment de Dilma Rousseff, Álvaro Dias, usou a cavalaria e bombas para reprimir uma manifestação pacífica

Quinta, 30 Abril 2015 19:46

A truculência do governador Beto Richa (PSDB) parece não ter limites e levanta suspeita sobre sua sanidade mental. As ordens de ataque do chefe do executivo e seu secretário de segurança, Fernando Francischini, contra os professores que protestavam pacificamente neste dia 29 de abril, no Centro Cívico de Curitiba, causaram revolta em toda sociedade paranaense.

O Governo do Estado atingiu o ápice do autoritarismo, falta de democracia, repressão, violência e desrespeito para com os trabalhadores. As cenas da agressão executadas pela Polícia Militar, sob o comando de Beto Richa, mancham o já imundo currículo do governador e entram para a história como o dia mais trágico do Estado do Paraná.

Para impedir professores e servidores públicos estaduais de se expressarem contra o projeto de lei do governo 252/15, que quer meter a mão na previdência do funcionalismo para cobrir rombo orçamentário causado pela péssima gestão, Beto Richa fez o inimaginável para isolar a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e deixar os deputados governistas à vontade para aprovar o seu projeto sem resistência. Para intimidar a população, cercou a Casa do Povo com grades e policiais, com ordem de repressão a qualquer custo. Nada justificava tamanha violência.

Tiros de bala de borracha, gás lacrimogênio, sprays de pimenta, helicópteros, cães e um efetivo acima de mil policiais foram usados pelo governador para agredir os trabalhadores. O saldo da ação covarde de Beto Richa foi de mais de duzentos feridos. Um verdadeiro massacre contra trabalhadores.

O Sindipetro Paraná e Santa Catarina repudia com veemência o autoritarismo e a covardia do governador Beto Richa. A categoria petroleira se solidariza aos professores e funcionários públicos do Paraná e declara apoio total e irrestrito à luta contra esse desgoverno mentiroso, hipócrita e corrupto. Marcharemos, lado a lado, junto com os servidores públicos e os movimentos sociais, para restabelecer a democracia e por fim aos desmandos desse péssimo governador.  

Diretoria do Sindipetro Paraná e Santa Catarina

Segunda, 09 Março 2015 20:05

Dirigentes do Sindipetro participaram da assembleia dos educadores da rede de ensino público do Paraná, realizada na manhã desta segunda-feira (09), no estádio Durival de Britto e Silva (Vila Capanema – Paraná Clube), com a presença de mais de 15 mil professores e funcionários de escola.

O objetivo foi convocar a categoria dos educadores para o grande ato do dia 13 de março, próxima sexta-feira, que tem como bandeiras a defesa da Petrobrás, da democracia e dos direitos trabalhistas; pela reforma política democrática; e em defesa dos recursos do pré-sal para o financiamento da educação pública. A manifestação será a partir das 17 horas, na Praça Santos Andrade, em Curitiba.

Durante a gigantesca assembleia, os dirigentes sindicais petroleiros tomaram a palavra para elucidar sobre a campanha difamatória contra a Petrobrás, cuja finalidade é desmoralizar a gestão estatal para abrir caminho à privatização, bem como colocar o pré-sal nas mãos do capital privado.

Uma grande faixa que defende a aplicação dos recursos do pré-sal na educação pública foi estendida no gramado do estádio e um panfleto sobre o ato do dia 13 e a defesa da Petrobrás enquanto luta pela melhoria da educação foi entregue a todos os educadores (confira o panfleto nos anexos ao fim da matéria).

Os professores responderam positivamente à convocação e prometem engrossar o público no ato da próxima sexta.

Fim da greve nas escolas públicas
A assembleia da APP-Sindicato encerrou a maior greve da categoria nos últimos 20 anos. A decisão ocorreu por ampla maioria, já que aproximadamente 95% do público presente na Vila Capanema decidiu pelo fim da paralisação e manutenção do estado de greve.

Com a manutenção do estado de greve a categoria poderá retornar, a qualquer momento, com a paralisação caso a carta de compromissos com a APP-Sindicato assinada pelo Governo do Estado, e avalizada pelo Judiciário, seja descumprida. Vale ressaltar que o documento só foi assinado com a mediação do poder judiciário.

Entre as vitórias obtidas com a histórica greve estão o fim do regime de comissão geral na Assembleia Legislativa, que representava a votação de projetos de interesse público sem a discussão com a sociedade, o pagamento dos atrasados e um cronograma para que as pendências restantes sejam colocadas em dia, o recuo no projeto que pretendia liberar o executivo estadual para colocar a mão nos recursos da previdência dos servidores, entre outras.

Com a suspensão da greve, os professores, professoras, funcionários e funcionárias de escolas seguiram até o Centro Cívico onde realizaram um ato simbólico que colocará fim ao acampamento na Praça Nossa Senhora de Salete, em frente ao Palácio Iguaçu e a Assembleia Legislativa do Paraná. O local tornou-se símbolo da resistência da categoria.

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro