RUMO À GREVE GERAL!

A CUT, as demais centrais sindicais (CTB, Força, UGT, CSP/Conlutas, CGTB, CSB e NCST) e o MST decidiram organizar atos conjuntos dos movimentos sindical e social no dia 11 de julho em todo país. Será um dia nacional de luta com greves, manifestações, passeatas em pontos de grande concentração em todos os Estados. 

As paralisações, greves e manifestações têm o objetivo de destravar a pauta da classe trabalhadora no Congresso Nacional e nos gabinetes dos ministérios, assim como construir e impulsionar a pauta que veio das ruas nas manifestações realizadas em todo o país dos últimos dias. Entre as reivindicações, destaque para a derrubada do Projeto de Lei Nº 4330, PL 4330, de autoria do deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), relatado pelo deputado Artur Maia (PMDB-BA), que tramita rapidamente na Câmara dos Deputados e (des)regulamenta a terceirização nos serviços público e privado, precarizando ainda mais as relações de trabalho no Brasil. Uma das principais ameaças do PL é a possibilidade das empresas terceirizarem suas atividades-fins, o que representa o risco de todos os trabalhadores serem substituídos por essa modalidade de trabalho eventual e temporário, na condição de prestadores de serviços.

A suspensão das rodadas de licitação da Agência Nacional do Petróleo (ANP), que privatiza as reservas brasileiras, jogando no coloca iniciativa privada a riqueza nacional também é uma das reivindicações do movimento unitário das centrais sindicais.

Ainda na pauta das manifestações: a redução da jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais sem diminuição de salários, o repasse obrigatório de 10% do orçamento da União para a saúde pública, fim do fator previdenciário, destinação de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) para a educação pública, reforma agrária e que as reduções das tarifas de transporte não sejam acompanhadas de qualquer corte nos gastos sociais.

luta-operaria-11-edicao.pdf