Mostrando itens por tag: tepar
Sexta, 24 Fevereiro 2017 17:52

 

As razões para quem gosta ou não do Carnaval são várias. Uns adoram a folia, têm samba no pé e caem na gandaia. Outros não se identificam com a maior festa popular do país, geralmente são mais caseiros e aproveitam o período para descansar.

 

Difícil mesmo é encontrar quem não gosta do feriado prolongado. Nossa equipe de reportagem do Sindipetro Paraná e Santa Catarina, que se resume ao escriba aqui, foi atrás de um exemplar deste raro espécime. Não foi tarefa fácil! Partimos de Curitiba em busca de qualquer pista que nos colocasse na trilha do personagem. Conversamos com diversas pessoas nas ruas da capital e ninguém sabia responder. Teve até um sacana que nos mandou procurar lá no Posto Ipiranga. Respondemos de bate-pronto: aqui é Petrobrás, P#ǂ*Ⱥ!

 

Do centro até os bairros, escutávamos a mesma coisa: “nunca nem ouvi falar”, sempre com aquela feição de lábios abaixados e cabeça a balançar para ambos os lados.  Já estávamos cansados de negativas, mas não seria possível que numa cidade de 1 milhão e 900 mil habitantes ninguém tivesse uma pista. Nos encontrávamos no bairro Cajuru, na divisa com São José dos Pinhais, quando finalmente um senhor misterioso, que caminhava a passos largos lá no Parque dos Peladeiros e preferiu não se identificar, nos deu alguma esperança: “sua busca em Curitiba será em vão! Siga para o litoral”, disse e saiu em disparada.

 

Num primeiro momento pensamos que ele estava de brincadeira com a nossa cara, mas depois de discutirmos um pouco chegamos à conclusão de que um sujeito místico como aquele dificilmente estaria de traquinagem. Resolvemos seguir a dica, afinal de contas, a BR 277 estava logo ali e o mar a apenas 90 km.  

 

Tínhamos pela frente a perigosa Serra do Mar, com suas sinuosas curvas e histórico de muitos acidentes graves, inclusive vários com caminhões tanque carregados de produtos da Repar. Quem não se lembra daquele que transportava álcool e tombou na descida da Serra, em julho do ano passado, espalhando fogo por todo lado e matando seis pessoas? Só de lembrar do vídeo do acidente dá medo. Teve aquele pai que, com o corpo em chamas, atirou a filha recém-nascida no mato e se jogou no bueiro com a esperança de lá haver água, mas só tinha mais álcool. Melhor parar por aqui!

 

Na descida paramos em um posto e nossas esperanças de encontrar o raríssimo espécime aumentaram. Por ali havia uma van com petroleiros do Terminal Transpetro de Paranaguá (Tepar) que moram em Curitiba e encaram cotidianamente a perigosa Serra em um transporte precário, pago por eles mesmos, já que a gestão do Tepar nega o traslado.

 

Papo vai, papo vem, notamos que estavam meio tristes e questionamos o motivo, pois é muito estranho todo aquele desânimo às vésperas do carnaval. “É que pela primeira vez não teremos o feriado prolongado”, responderam.

 

Apesar de solidários com a tristeza dos companheiros, ficamos animados por estarmos no caminho certo em busca do nosso turrão. Agradecemos a informação e dissemos que tentaríamos pelas vias negociais mudar essa determinação; se não adiantasse, o Sindipetro ia passar o Carnaval 2017 em Paranaguá, desfilando no bloco Unidos do Piquete.

 

Enfiamos o pé embaixo e fomos até o Tepar. Por lá, os petroleiros confirmavam a informação da van. Um gestor provisório do Terminal determinara que todos empregados do horário administrativo deveriam trabalhar na segunda-feira de carnaval e na tarde de quarta-feira de cinzas. A expressão dos companheiros era aquela de água no chopp e caroço no angu. Perguntamos se seria retaliação por causa das greves de final do ano e responderam que não tinham dúvidas, tendo em vista que era a primeira vez que isso ocorreria.

 

Tentamos a todo custo entrar no Tepar, mas ao passar nossos crachás, soou uma campainha, tipo aquela dos jurados do Show de Calouros, e uma luz vermelha piscou. Nossa entrada estava impedida. A velha prática antissindical de gestores da Transpetro e Petrobrás de impedir o acesso de dirigentes aos locais de trabalho mais uma vez nos frustrava.

 

Bateu uma tristeza imediata, mas pelo menos atingimos nosso objetivo e encontramos, ainda que de uma distância considerável, um espécime rabugento que detesta feriado. Aquele é ainda mais raro, pois não bastava detestar o carnaval e o feriado prolongado, era preciso melar com a alegria alheia.

 

Felizmente a história, que caminhava para um enredo desafinado de carnaval, mudou de rumos. O Sindicato interveio via FUP junto à empresa. O turrão foi questionado sobre sua determinação e teve que ligar para o RH da Sede da Transpetro. O que ouviu não lhe soou bem aos ouvidos, mas fez a alegria de todos os petroleiros do Tepar.

 

 

Bônus 1: o turrão após a ligação ao RH da Transpetro

 

 

Bônus 2: Guia de Conduta do Sistema Petrobrás

4.1.1 Não praticar, não se submeter e não compactuar com nenhum tipo de violência, preconceito, ameaça, chantagem, falso testemunho, retaliação, violência psicológica, assédio moral ou sexual ou qualquer outro ato contrário aos princípios éticos do Sistema Petrobrás. 

Sexta, 17 Fevereiro 2017 19:15

Nº 1384

Quarta, 08 Fevereiro 2017 17:18

 

Impedimento de dirigente sindical entrar nas dependências do Terminal para participar da reunião da CIPA levanta suspeitas em relação à segurança no local.

Terça, 07 Fevereiro 2017 17:09

Nº 1383

Terça, 07 Fevereiro 2017 15:51

Nº 1381

Sexta, 30 Dezembro 2016 13:50

 

 

*Por Uriel Oliveira

 

Algumas pessoas podem achar estranho o Tepar continuar as mobilizações. Entretanto, somente os que ali cotidianamente trabalham para que esse sistema Petrobrás bata novos recordes entendem o que leva os trabalhadores manter essa unidade na luta.

 

Estamos falando de um dos terminais mais antigos do sistema e de um grupo de trabalhadores que vê a Petrobras sendo esquartejada por uma diretoria entreguista e aliada a um governo golpista.

 

Além disso, sentimos que essa lâmina está a cada hora mais próxima de umas das engrenagens principais do sistema, aquela responsável por toda a logística, aquela que no passado já fora criada para ser vendida, mas que com a luta de guerreiros petroleiros foi inviabilizada. Sim, estamos falando da Transpetro.

 

Se não bastasse isso, os trabalhadores passam por problemas crônicos que são passados de gerência a gerências, dentre os quais podemos elencar o transporte, que põem em risco diariamente o que a empresa diz ser o mais importante para ela; e mais recentemente as retaliações e assédios vindos da gerência, que mesmo sendo denunciados à ouvidoria, RH, Cipa e demais espaços internos, são menosprezados.

 

Ainda poderíamos continuar a elencar vários outros problemas que afetam diretamente a nossa produção e segurança que também são antigos e de amplo conhecimento, mas o mais importante é deixar claro que quando estamos numa situação extrema como essa, os trabalhadores utilizam sua única forma de garantir o cumprimento dos seus direitos, que é se mobilizando e cruzando a fonte de lucro da companhia.

 

Esperamos que com essa demonstração de unidade local as gerências e diretorias atentem para os anseios dessa categoria e abram o canal de diálogo verdadeiro, e não esse teatro realizado rotineiramente com a representação sindical.

 

 

*Uriel Oliveira é técnico em operação no Tepar e dirigente do Sindipetro PR e SC

Sexta, 30 Dezembro 2016 12:25

 

 

Mais um apelo do Pedro Quemente, mais uma resposta à altura da categoria. Ontem (29), o presidente ilegítimo da Petrobras enviou uma nova carta aos “colaboradores” solicitando a participação de todos nas assembleias e invocando a “reflexão” de que a proposta da empresa está no limite do que é “financeiramente responsável”. No final do dia, o Sindipetro Paraná e Santa Catarina divulgava o resultado das assembleias setorizadas: continuidade da luta, com paralisações a qualquer momento.

 

Algumas horas mais tarde, por volta das 24h, os petroleiros do Terminal Transpetro de Paranaguá (Tepar) cortaram a rendição do turno e retomaram a greve. A mobilização continuou na manhã desta sexta-feira (30), com a paralisação dos trabalhadores do regime administrativo.

 

A contingência da empresa assumiu as operações da unidade às 08h00 de hoje, quando os petroleiros que entraram às 16h00 de ontem puderam finalmente deixar o Terminal, após dezesseis horas contínuas de trabalho.

 

O dirigente sindical Uriel Oliveira explicou o sentimento dos grevistas do Tepar. “Somente os que ali cotidianamente trabalham para que o Sistema Petrobrás bata novos recordes entendem o que leva os trabalhadores a manter essa unidade na luta. Estamos falando de um dos terminais mais antigos do sistema e de um grupo de trabalhadores que vê a Petrobrás sendo esquartejada por uma diretoria entreguista e aliada a um governo golpista. Além disso, sentimos que essa lâmina cada hora está mais próxima de umas das engrenagens principais do sistema, aquela responsável por toda a logística, aquela que no passado já foi criada para ser vendida, mas que com a luta de guerreiros petroleiros foi inviabilizada. Sim, estamos falando da Transpetro”, desabafou.

 

A paralisação no Tepar tem prazo determinado e está prevista para terminar às 08h00 de segunda-feira (02).

 

Greve no Tefran

Boa parte dos petroleiros do regime administrativo do Terminal Transpetro de São Francisco do Sul (Tefran) resolveu deflagrar greve no início do expediente desta sexta-feira. O movimento vai durar 24 horas.

 

Já os empregados do regime de turno e os que furaram a paralisação dão a entender que estão satisfeitos com a proposta da Petrobrás e parecem não se importar com o desmonte da empresa em andamento, justamente na Transpetro, ameaçada de ser o próximo alvo das privatizações. “A resistência é a única forma de barrar a privatização. Ela afugenta os possíveis compradores e atrapalha os planos dos gestores entreguistas”, afirmou Mário Dal Zot, presidente do Sindipetro Paraná e Santa Catarina. 

Sábado, 24 Dezembro 2016 16:27

Gestão da Repar manteve petroleiros retidos dentro da área industrial; trabalhadores do Tepar também foram obrigados a estender a jornada.

Jornal Revista

Edição Nº 1418

Veja Todos os Jornais

TV Sindipetro